25 nov 2019
por Redação Brain 4 views 0

Saiba mais sobre o UX dentro do Brain

Trabalhar com métodos ágeis faz o time ter melhores entregas, com maior precisão e resultados. Integrando estes times multidisciplinares, temos várias profissões que fogem do escopo tradicional, com o UX – User Experience, ou, o profissional que cuida da Experiência do Usuário.

UX é o responsável em pensar em, literalmente, a experiência do usuário: se o produto é usual, ergonômico, se o sistema é rápido, simples, bom, se atende aquela necessidade… é pensar no produto como um todo, para entregar ao cliente final uma solução que funcione e consiga solucionar aquele problema.

 

E para contar um pouco da profissão aqui no Brain, convidamos nossa UX Maria Bethânia, que fala um pouco sobre os desafios do dia a dia. Confira:

 

Leia também: Inovação: como transformar a sua empresa para o mundo atual

 

O que faz o UX dentro do Squad?

O profissional de UX no squad é responsável por projetar toda a experiência que um usuário irá vivenciar durante a interação dele com a marca e o produto/serviço.
Para que essa experiência seja construída e projetada da melhor forma, o UX deve entender o contexto mercadológico, decifrar o problema enfrentado pelo usuário, e principalmente, conhecer esse usuário, entendendo a fundo quais são seus comportamentos, esforços e reações diante às ações praticadas no dia a dia. 

Para que isso seja possível, é essencial a presença do UX durante todo o ciclo de vida no squad. É na concepção do projeto que o UX aplicará as técnicas necessárias para entender o universo do usuário, desvendando informações que estão embutidas no contexto de vida e muitas vezes não são pronunciadas pelas pessoas, dessa forma o time conseguirá desenhar um produto em sinergia com o público em foco. UX deve ser um mindset e não uma etapa do processo. 

 

Quais os principais desafios e vantagens de se trabalhar como UX dentro dos métodos ágeis?

Os métodos ágeis são grandes facilitadores para o UX desde que sejam realmente aplicados e que o cliente esteja no centro do projeto validando os entregáveis. 

Fasear o desenvolvimento em Sprints possibilita que a cada 15 ou 30 dias (dependendo do tamanho da sprint) seja entregue algo de valor para o cliente. Essa é uma excelente oportunidade para que a cada sprint o cliente esteja presente com o time de desenvolvimento contribuindo, norteando e priorizando a construção do backlog das próximas sprints. 

Os MVP’s também são grandes marcos para descobrir se o produto e a experiência projetada estão sendo entregues no MVP de maneira assertiva. Sendo assim, o UX deve aplicar a cada entrega de MVP uma técnica de pesquisa que consiga contemplar um bom retorno do cliente diante do que foi proposto. 

Com essas possibilidades de trazer o cliente para o centro durante as etapas de desenvolvimento, os métodos ágeis contribuem para evitar com que o produto chegue em sua versão final, na qual vários esforços já foram demandados, e só então o usuário possa viver a experiência de utilização do produto/serviço. Sendo que, a cada contato com essa experiência, o squad pode incrementar o produto e fazer a diferença para o cliente. 

Pra você, quais os principais diferenciais do UX na entrega para o cliente?

A visão do UX é fundamental para o desenho de um produto pautado na experiência e  encantamento do cliente. É ele quem irá aplicar empatia e outras técnicas de design que permitam ter um olhar diferente para o usuário. 

 

Leia também: Gestão de RH ágil: o que é e como aplicar

 

Qual é a sua dica para quem quer se tornar um UX?

Buscar aprendizado com empresas que entregam boas experiências na prática. Afinal, aprender com cases reais é sempre muito legal. Algumas sugestões são: Netflix, Nubank, Zappos e Amazon. Procurar por uma boa especialização por meio de cursos e até mesmo comunidades sobre o tema (ESPM, UXColletctive, UXnow, Origamid). Também é muito importante buscar desenvolver alguns skills como empatia, pensamento crítico, observação, simplicidade, redação e técnicas de representação gráfica. 


Relações-públicas. Pós-graduada em Gestão da Experiência do Consumidor pela ESPM. Chapter Leader de Customer Experience no Brain e fascinada por desvendar comportamentos humanos. 

2 comments_number 0 comments_number 3 semanas atrás